Distanciamento social na pandemia da COVID-19 e estado emocional de estudantes universitários: estudo descritivo-exploratório

ARTIGO ORIGINAL

Publicado em 24 de novembro de 2022

Distanciamento social na pandemia da COVID-19 e estado emocional de estudantes universitários: estudo descritivo-exploratório

Autores

Liasse Monique de Pinho Gama
Verusca Soares de Souza
Soraia Geraldo Rozza Lopes
Guilherme Oliveira de Arruda
Helder de Pádua Lima
Cremildo João Baptista

Objetivo: Conhecer a vivência com o distanciamento social, no período inicial da pandemia da COVID-19, e o estado emocional de estudantes universitários. Método: Estudo qualitativo, exploratório-descritivo, realizado com 237 estudantes de instituição de ensino superior pública, situada no centro-oeste brasileiro. Dados coletados virtualmente, por questionário eletrônico, lançados em planilha e submetidos à análise descritiva e de conteúdo temática. Resultados: Emergiram as categorias Entre mudanças emocionais e dificuldades de adaptação ao ensino remoto e Distanciamento social e aproximação com o próprio ser. As narrativas sugerem a vivência de preocupações, ansiedade, abalo e instabilidade emocional com o distanciamento social e o ensino remoto de emergência no período pandêmico, e denotam maior tempo para o autocuidado e a convivência em família. Conclusão: Faz-se necessário o desenvolvimento de estratégias intersetoriais de promoção da saúde e prevenção de transtornos mentais, em parceria com a instituição de ensino, ajustadas ao contexto.

Descritores: Saúde Mental; Estudantes; Pandemias.

Como citar:

Gama LMP, Souza VS, Lopes SGR, Arruda GO, Lima HP, Baptista CJ. Social distancing and emotional state of university students in the COVID-19 pandemic: a descriptive-exploratory study. Online Braz J Nurs. 2022;21 Suppl 2:e20226577. https://doi.org/10.17665/1676-4285.20226577

© Online Brazilian Journal of Nursing

Prática do uso de máscaras no contexto da pandemia da COVID-19: um estudo transversal

ARTIGO ORIGINAL

Publicado em 19 de novembro de 2022

Prática do uso de máscaras no contexto da pandemia da COVID-19: um estudo transversal

Autores

Fernanda Maria Vieira Pereira-Ávila
Fernanda Garcia Bezerra Góes
Milena Cristina Couto Guedes
Hevelyn dos Santos da Rocha
Gabriel Nascimento Santos
Thamara Rodrigues Bazilio

Objetivo: Investigar o uso de máscaras entre a população do estado do Rio de Janeiro, durante a pandemia da COVID-19. Método: Trata-se de um estudo transversal online. A coleta de dados ocorreu via redes sociais e utilizou-se um formulário de informações gerais e a versão para o Português do Brasil da Face Mask Use Scale. Os testes Mann-Whitney e Kruskal Wallis foram utilizados para comparação dos escores. Os aspectos éticos foram contemplados. Resultados: Participaram 1.783 (100%) indivíduos. O escore obtido foi de 18,2 (DP=8,2), com itens variando entre 6,0 e 30 evidenciando que a prática do uso de máscaras foi de 60,6%. Ao avaliar a autoproteção, obteve-se 9,5 (DP=4,0) e a proteção do outro 8,7 (DP=4,6), variando entre 3,0 e 15,0. Conclusão: A prática do uso das máscaras foi negligenciada por parte da população deste estudo, sendo melhor sua utilização para a autoproteção do que para a proteção do outro.

Descritores: Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde; COVID-19; Máscaras.

Como citar:

Pereira-Ávila FMV, Góes FBG, Guedes MCC, Rocha HS, Santos GN, Bazilio TR. Face mask use in the COVID-19 pandemic: a cross-sectional study. Online Braz J Nurs. 2022;21 Suppl 2:e20226574. https://doi.org/10.17665/1676-4285.20226574

© Online Brazilian Journal of Nursing

Incidência de lesão por pressão em posição prona durante a pandemia de COVID-19: um estudo de coorte

ARTIGO ORIGINAL

Publicado em 30 de outubro de 2022

Incidência de lesão por pressão em posição prona durante a pandemia de COVID-19: um estudo de coorte

Autores

Flávia Cristina Zanchetta
Samantha Perissoto
Rafaela Batista dos Santos Pedrosa
Renata Cristina Gasparino
Vanessa Abreu da Silva
Ana Railka de Souza Oliveira Kumakura
Maria Helena Melo Lima

Objetivo: avaliar a incidência de lesão por pressão na posição prona e seus fatores de risco em pacientes admitidos em unidades de terapia intensiva diagnosticados com COVID-19. Método: trata-se de um estudo de coorte prospectiva (n=30) com duração de seis meses. Informações relacionadas a estado da prona, tempo de duração, presença ou ausência de lesão por pressão e características sociodemográficas e clínicas foram coletadas. Estatística descritiva e inferencial foi realizada para comparar os pacientes que desenvolveram e os que não desenvolveram lesão por pressão. Para análise dos dados, foi utilizada Regressão de Poisson com variância robusta. Resultados: o tempo médio na posição prona foi de 20,1 horas (DP=3,9). A incidência de lesão por pressão foi de 70%, sendo as localizações mais comuns: tórax esquerdo, abdômen, bochechas e testa. Ao comparar os grupos com e sem lesão por pressão, não houve diferença entre eles (p>0,05). Conclusão:  a incidência não foi associada a nenhuma variável sociodemográfica ou clínica dos pacientes.

Descritores: COVID-19; Posição prona; Lesão por pressão.

Como citar:

Zanchetta FC, Perissoto S, Pedrosa RBS, Gasparino RC, Silva VA, Kumakura ARSO, et al. Incidence of prone position pressure sores during the COVID-19 pandemic: a cohort study. Online Braz J Nurs. 2022;21 Suppl 2:e20226569. https://doi.org/10.17665/1676-4285.20226569

© Online Brazilian Journal of Nursing

Estratégias para o enfrentamento da pandemia de COVID-19 em hospitais universitários: estudo descritivo

ARTIGO ORIGINAL

Publicado em 29 de outubro de 2022

Estratégias para o enfrentamento da pandemia de COVID-19 em hospitais universitários: estudo descritivo

Autores

José Luís Guedes dos Santos
Fernando Henrique Antunes Menegon
Maria Vitória de Azevedo Knoblauch
Gustavo Baade de Andrade
Alacoque Lorenzini Erdmann

Objetivo: Descrever estratégias desenvolvidas para o enfrentamento da pandemia de COVID-19 em hospitais universitários. Método:  Pesquisa descritiva, com abordagem quanti-qualitativa, desenvolvida a partir de um survey online com 104 enfermeiros de três hospitais universitários brasileiros. O processamento dos dados foi realizado por meio de análise textual com auxílio do software IRAMUTEQ® Resultados: Foram obtidas seis classes semânticas que representam as principais estratégias desenvolvidas para o enfrentamento da pandemia de COVID-19 no ambiente hospitalar: 1) Fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (17,2%); 2) Capacitações da equipe para o cuidado (18,8%); 3) Treinamento da equipe de apoio (15,6%); 4) Aquisição de equipamentos com boa qualidade (14,1%); 5) Definição de fluxos institucionais (20,5%) e 6) Promoção de apoio psicológico (14,1%). Conclusão: As estratégias elencadas pelos enfermeiros têm contribuído para a qualidade da assistência prestada aos pacientes, bem como a manutenção da saúde do trabalhador.

Descritores: Infecções por Coronavírus; Organização e Administração; Hospitais Universitários.

Como citar:

Santos LG, Menegon FHA, Knoblauch MVA, Andrade GB, Erdmann AL. Strategies for coping with the COVID-19 pandemic in university hospitals: a descriptive study. Online Braz J Nurs. 2022;21 Suppl 2:e20226568. https://doi.org/10.17665/1676-4285.20226568

© Online Brazilian Journal of Nursing

Aspectos epidemiológicos de pacientes críticos com Covid-19: estudo de coorte não concorrente

Aspectos epidemiológicos de pacientes críticos com Covid-19: estudo de coorte não concorrente

Resumo

Objetivo: analisar os aspectos epidemiológicos e os fatores associados à sobrevida de pacientes críticos com diagnóstico de Covid-19. Método: estudo de coorte não concorrente, com informações de 205 pacientes críticos com Covid-19. Resultados: a incidência e a letalidade de Covid-19 foram, respectivamente, 60,3% e 46,8%. O tempo médio de sobrevida dos pacientes foi de 21,8 dias e os fatores associados à menor sobrevida foram: pontuação elevada no Simplified Acute Physiology Score, menor tempo de ventilação mecânica, alteração do nível de consciência, utilização de cateter venoso central, presença de coagulopatias e necessidade de ressuscitação cardiopulmonar. Pacientes em oxigenoterapia por cateter nasal apresentaram maior sobrevida. Conclusão: observou-se elevada incidência e letalidade da doença entre os pacientes críticos, sendo a menor sobrevida relacionada a indicadores de maior gravidade do quadro clínico. Os resultados obtidos subsidiam enfermeiros no planejamento da assistência ao paciente, buscando minimizar o risco de óbito.

Descritores: COVID-19; Unidades de Terapia Intensiva; Enfermagem.

Este trabalho está licenciado sob licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Copyright © 2022 Online Brazilian Journal of Nursing

Morbimortalidade de gestantes pela COVID-19 e os atravessamentos da raça/cor: uma análise interseccional

Morbimortalidade de gestantes pela COVID-19 e os atravessamentos da raça/cor: uma análise interseccional

Resumo

Objetivo: analisar, sob a ótica interseccional, os atravessamentos do quesito raça/cor na morbimortalidade de gestantes pela COVID-19 no Brasil. Método: estudo ecológico, documental, desenvolvido a partir dos boletins epidemiológicos de acompanhamento do novo coronavírus no Brasil. Os dados foram coletados nos meses de março e abril de 2021 e analisados através de estatística descritiva, mediada pelo modelo teórico-metodológico da interseccionalidade. Resultados: gestantes negras apresentaram taxa média de prevalência de 65,18% das internações e 70,85% dos óbitos por COVID-19 no ano de 2020. Por outro lado, a taxa média de prevalência de internações e óbitos entre gestantes brancas foi de 32,32% e 27,23%, respectivamente. Conclusão: A maior dificuldade no acesso ao pré-natal, a alta taxa de prevalência de comorbidades, as precárias condições de trabalho e dificuldade de afastamento durante a pandemia, o racismo institucional e a necropolítica adotada pelo Estado Brasileiro são possíveis explicações para essa expressiva situação de vulnerabilidade.

Descritores: Gestantes; Indicadores de morbimortalidade; Infecções por coronavírus.

Este trabalho está licenciado sob licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Copyright © 2022 Online Brazilian Journal of Nursing

Translate »
Skip to content